quarta-feira, 11 de novembro de 2009

DESPEDIDA - POR JOÃO JUSTINIANO

 

 

DESPEDIDA.

João Justiniano
13.02-07, ÁS 22H.

 

A despedida dói. É isso aí, querida;

pede renúncia e paz, sempre respeito e afeto.

A última palavra amenize a ferida;

toda separação deixa um casal sem teto.

 

O coração da gente em chaga e a alma inquieta,

pretendem recuar, vacilam. Exaurido

O sentimento grita. E é torta a linha reta.

Uma curva embaçara a outra curva. Exceto

 

A razão - nada é certo. E essa mesmo chafurda!

"Que farei eu agora, ela diz, quem por mim,

quando o passado é morto e a dianteira é surda"?

 

É parar e pensar. Isso não é o fim.

É antes recomeço. Um chinês e uma curda,

ele espera você e ela espera a mim...


 

A

POETAS DO ACAMPAMENTO DA POESIA DE ENTRE-IJUÍS

PARQUE DAS FONTES - ENTRE-IJUÍS - MISSÕES - RS

Lançamento do Livro Afluências 8 dos Poetas do Acampamento da Poesia por SolBatt