segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Romance - Marjorie Bier

Ser uma mulher livre não me ensinou a amar direito, embora eu acredite
ter aprendido algumas sutilezas, alguns deslizes do coração.

O tipo de amor que dedico parece estranho no primeiro momento. Talvez
por isso mesmo é que eu o reconheça como amor. Não existem sentimentos
pré-estabelecidos, mas códigos delicados que o divulgam e botam medo.

Assustado, procuras em mim o que poderias encontrar em qualquer
pessoa: irmãos, garçons, mulheres ao alcance dos lábios e dos dedos.
Mas queres romance. Pipoca e sessão da tarde com garantia de happy
end.

Esse amor que eu sinto poderia, também, gerar um final feliz com
contas divididas, passeios pelo parque, trilha sonora melosa, mas
gosto tanto, inteiro, que não quero me preocupar com as claquetes, com
os cenários, com nada além de mim, além de você, do nosso cuidar
desajeitado.

Poulain na penúltima cena. Betty Blue às duas da manhã. Posso ser o
que você quiser em seu pensamento. Não entendo os nossos processos,
mas criei-me livre para dizer que te amo muito, aberta, incorreta, sem
conceito algum. Te amo sem nem saber se este é o nome que se dá a esse
sentimento. Mas que seja amor. Ou que não seja. Sou livre e amo. E
subscrevo-me.

POETAS DO ACAMPAMENTO DA POESIA DE ENTRE-IJUÍS

PARQUE DAS FONTES - ENTRE-IJUÍS - MISSÕES - RS

Lançamento do Livro Afluências 8 dos Poetas do Acampamento da Poesia por SolBatt